Concepções de educadores de uma instituição de educação profissional técnica de nível médio sobre o conceito de violência

Fernanda Lúcia Maioli, Alex Sandro Gomes Pessoa, Jaqueline Knupp Medeiros, Débora Ananias Guimarães, Haryadny Kamylla Macedo Muniz

Resumo


Este artigo analisou as concepções de educadores de uma instituição de Educação Profissional de Nível Técnico e Profissionalizante acerca da violência. Trata-se de pesquisa quantitativa, de natureza exploratória- descritiva, desenvolvida como estudo de caso. Participaram 76 educadores dos sexos feminino e masculino, de uma instituição localizada em cidade de médio porte no estado de São Paulo. A pesquisa revelou que equívocos marcam a concepção sobre violência dos educadores, sustentada principalmente pela naturalização da violência cometida contra determinados grupos sociais.


Palavras-chave


Concepções; Educadores; Educação Profissional de Nível Técnico e Profissionalizante; Violência

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violências nas escolas. Brasília, DF: Unesco, 2002.

ADORNO, Sérgio. Crime e violência na sociedade brasileira contemporânea. Jornal PSI, São Paulo, n. 132, p. 7-8, abr./jun. 2002.

ALBUQUERQUE, Josefa Barros Cavalcanti et al. Violência doméstica: características sociodemográficas de mulheres cadastradas em uma Unidade de Saúde da Família. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 382-390, abr./jun. 2013.

ALBUQUERQUE, Paloma Pegolo; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque; D'AFFONSECA, Sabrina Mazo. Long term effects of bullying and posttraumatic stress disorder: a literature review. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, DF, v. 29, n. 1, p. 91-98, jan./mar. 2013.

ASSIS, Luana Rambo; NASCIMENTO, Lizandra Andrade. Serviço social e violência: caminho na luta pela garantia de direitos humanos. Revista Gestão e Desenvolvimento em Contexto, Cruz Alta, v. 1, n. 1, p. 50-57, jan./dez. 2013.

BARUFALDI, Laura Augusta et al. Violência de gênero: comparação da mortalidade por agressão em mulheres com e sem notificação prévia de violência. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2929-2938, set. 2017.

BINSFELD, Adriana Raquel; LISBOA, Carolina Saraiva de . Bullying: um estudo sobre papéis sociais, ansiedade e depressão no contexto escolar do sul do Brasil. Interpersona, Vitória, v. 4, n. 1, p. 74-105, jan./jun. 2010.

BISCEGLI, Terezinha Soares et al. Violência doméstica contra crianças: nível de conhecimento dos pais de crianças em escolas pública e privada. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 26, n. 4, p. 365-371, out./nov. 2008.

BRASIL. Congresso. Câmara dos Deputados. LDB: lei de diretrizes e bases educação nacional.11. ed. Brasília, DF: Edições Câmara, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Impacto da violência na saúde das crianças e adolescentes: prevenção de violências e promoção da cultura de paz. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Projeto de Lei n. 7672/10. Altera a Lei 8.079, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2011.

CARDIA, Nancy. Pesquisa sobre atitudes, normas culturais e valores em relação a violência em 10 capitais brasileiras. Brasília, DF: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Ética, política e violência. In: CAMACHO, Thimoteo (Ed.). Ensaios sobre violência. Vitória: Edufes, 2003. p. 39-59.

COCCO, Marta et al. Violência contra crianças: dimensões apreendidas nas falas de professoras de educação infantil e a articulação com o setor saúde. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 14, n. 4, p. 457-458, jan./mar. 2010.

CROCHIK, José Leon. Fatores psicológicos e sociais associados ao bullying. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 12, n. 24, p. 211-229, ago. 2012.

D’AFFONSECA, Sabrina Mazo; PRIOLO FILHO, Sidnei Rinaldo; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque. Intervenção psicoterapêutica com famílias em situação de violência: relato de atividade de extensão. Revista Brasileira de Extensão Universitária, Chapecó, v. 7, n. 1, p. 43-49, jan./jun. 2016.

FALEIROS, Vicente de Paula. Redes de exploração e abuso sexual e redes de proteção. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ASSISTENTES SOCIAIS, 9, 1998, Goiânia, Anais. Goiânia: Conselho Federal de Serviço Social, 1998. v. 1, p. 267-271.

FALEIROS, Vicente de Paula; FALEIROS, Eva Silveira. Escola que protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2007.

FELTRIN, Lohana Pinheiro et al. Lei da palmada: reflexões e implicações psicojurídicas. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, v.8, n. 1, p. 184-203, maio/ago. 2013.

GUIMARÃES, Maisa Campos; PEDROZA, Regina Lúcia Sucupira. Violência contra a mulher: problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 27, n. 2, p. 256-266, maio/ago. 2015.

HEREM, Claudenice Matos. Perfil e formação de do professor de educação profissional técnica. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2009.

HILDEBRAND, Natália Amaral et al. Violência doméstica e risco para problemas de saúde mental em crianças e adolescentes. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 28, n. 2, p. 213-221, jan./jun. 2015.

LAMAS, Karen Cristina Alves; FREITAS, Eduarda Rezende; BARBOSA, Altemir José Gonçalves. Bullying e relação professor-aluno: percepções de estudantes do ensino fundamental. Psico, Porto Alegre, v. 44, n. 2, p. 263-272, abr./jun. 2013.

MACHADO, Juliana Costa et al. Violência intrafamiliar e as estratégias de atuação da equipe de Saúde da Família.Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 828-840, jul./set. 2014.

MARANHÃO, Joyce Hilário et al. Violência, risco e proteção em estudantes de escola pública. Fractal: revista de psicologia, Niterói, v. 26, n. 2, p. 429-444, maio/ago. 2014.

MARTÍN-BARÓ, Ignacio. La familia, puerto y carcel para la mujer salvadoreña. Revista de Psicología de El Salvador, San Salvador, v. 9, n. 37, p. 265-277, 1990.

MARTÍN-BARÓ, Ignacio. Poder, ideologia y violência. Madrid: Trotta, 2003.

MEDEIROS, Tâmara Duarte; RODRIGUES, Hermano de França. Discursos sexistas na escola: feminismo e estudos de gênero. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CONEDU), 3, 2016. Natal. Anais eletrônicos. Natal: Realize, 2016.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde. In: NJAINE, Kathie; ASSIS, Simone Gonçalvez; CONSTANTINO, Patrícia (Org.). Impactos da violência na saúde. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2009. p. 21-42.

MOREIRA, Ana Paula Gomes; GUZZO, Raquel Souza Lobo. Violence and prevention in school: the possibilities of liberation psychology. Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 29, n. 1, mar. 2017. Disponível em: . Acesso em: jul. 2018.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MOURA, Leides Barroso Azevedo; OLIVEIRA, Cesar; VASCONCELOS, Ana Maria Nogales. Violências e juventude em um território da área metropolitana de Brasília, Brasil: uma abordagem socioespacial. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 11, p. 3395-3405, nov. 2015.

NORONHA, Luciana Machado. Educação integral e concepções de violência na visão de monitores do Programa Mais Educação. 2013.Monografia (Especialização em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

PATIAS, Naiana Dapieve; SIQUEIRA, Aline Cardoso; DIAS, Ana Cristina Garcia. Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos. Mudanças: psicologia da saúde, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 29-40, jan./jun. 2013.

PEREIRA, Henrique Manuel; VIEIRA, Maria Cristina Vieira. Entrevista: pela educação, com António Nóvoa. Saber (e) Educar, Porto, v. 11, p. 111–126, jan./dez. 2016.

PEREIRA, Paula Celso; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti Albuquerque. A concepção de educadores sobre violência doméstica e desempenho escolar. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), São Paulo, v. 12, n. 1, p. 139-152, jan./jun. 2008.

RAMOS, Maria Eduarda; OLTRAMARI, Leandro Castro. Atividade reflexiva com mulheres que sofreram violência doméstica. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, DF, v. 30, n. 2, p. 418-427, abr./jun. 2010.

RATES, Susana Maria Moreira et al. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias, Brasil 2011.Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 655-665, mar. 2015.

RAUBER, Clair. Bullying: a violência no cotidiano da escola. Revista Eventos Pedagógicos, v. 7, n. 2, p. 316-329, jun./jul. 2016.

RUSSO, Gláucio et al. Quando a realidade cala: violência psicológica intrafamiliar contra crianças e adolescentes em Mossoró-RN. Temporalis, Brasília, DF, v. 14, n. 27, p. 159-180, jan./jun. 2014.

SANTOS, Adriana Ribeiro dos; MARIN, Angela Helena; CASTOLDI, Luciana. Percepção de mães e adolescentes sobre a violência intrafamiliar por meio da construção do genograma. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 6, n. 2, p. 174-184, jul./dez. 2013.

SANTOS, Jean Mac Cole Tavares; RODRIGUES, Paula Janaina Meneses. O diálogo como possibilidade de mediação da violência na escola. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 8, n. 1, p. 273-294, jan./jun. 2013.

SANTOS, José Vicente Tavares; TEIXEIRA, Alex Niche; RUSSO, Maurício. Violência e cidadania: práticas sociológicas e compromissos sociais. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2011.

SANTOS, Jurandir. Educação: desafios da atualidade. São Carlos: Compacta Ed., 2012.

SANTOS, Rita de Cássia Ferreira.Violência sexual e a formação de educadores: uma proposta de intervenção. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente, 2011.

SERAPIONI, Mauro. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: algumas estratégias para integração. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 197-192, jan./jun. 2000.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Anne Caroline Luz Grüdter; COELHO, Elza Berger Salema; NJAINE, Kathie. Violência conjugal: as controvérsias no relato dos parceiros íntimos em inquéritos policiais. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 1255-1262, abr. 2014.

SILVA, Maví Consuelo; MENDES, Olenir Mender. As marcas do machismo no cotidiano escolar. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 28, n. 1, p. 90-99, jan./jun. 2015.

SILVA, Patrick Leonardo Nogueira et al. Práticas educativas sobre violência contra a mulher na formação de universitários. Revista Bioética, Brasília, DF, v. 24, n. 2, p. 276-285, maio/ago. 2016.

SOARES, Michelle Beltrão; MACHADO, Laêda Bezerra. Violência contra o professor nas representações sociais de docentes. Perspectiva, Florianópolis, v. 32, n. 1, 333-354, jan./abr. 2014.

TIMM, Flávia Bascuñán; PEREIRA, Ondina Pena; GONTIJO, Daniela Cabral. Psicologia, violência contra mulheres e feminismo: em defesa de uma clínica política. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 11, n. 22, p. 247-259, dez. 2011.

VIAMONTE, Perola Fatima Simpson. Ensino profissionalizante e ensino médio: novas análises a partir da LDB 9394/96. Educação em Perspectiva, Viçosa, v.2, n.1, p. 28-57, jan./jun. 2011.

WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque; MALDONADO, Daniela Patrícia Ado; COSTA, Ricardo. Uma vida livre de violência. São Carlos: Padovani, 2008.

WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque; STELKO-PEREIRA, Ana Carina. (Org.). Violência nota zero: como aprimorar as relações na escola. São Carlos: EdUFSCar, 2013.

YIN, Robert K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Creative Commons

ISSN Impresso 0102549-X

ISSN Eletrônico 2448-1483

 

 Licença Creative Commons

Este conteúdo está licenciado com Creative Commons Atribuição Não Comercial 4.0 Internacional.