Programa de Desenvolvimento de Equipes (Prode): estudo avaliativo no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) – Departamento Regional Ceará

Marcos Antonio Martins Lima, Sidarta Nogueira Cabral, Andrea Nascimento de Oliveira, Denize de Melo Silva, Ilana Maria de Oliveira Maciel

Resumo


Este artigo apresenta uma experiência avaliativa de programa de desenvolvimento de equipes  unto aos docentes do Senac no Ceará. Conduzida por pesquisadores e especialistas, adotou-se a metodologia quadripolar de De Bruyne, Herman e Schoutheete, tendo como polo epistemológico o pensamento de Dewey, Kilpatrick e Schön. No campo teórico, explora-se o desenvolvimento de equipes e a avaliação de programas educacionais. No eixo morfológico, demonstra-se o modelo Programa de Desenvolvimento de Equipes (Prode).  No polo técnico, demonstram-se os resultados da avaliação na percepção dos facilitadores e dos docentes.


Palavras-chave


Desenvolvimento de equipes; Avaliação educacional; Avaliação de programas

Texto completo:

PDF

Referências


BOOG, Gustavo G. Manual de treinamento e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, 2000.

BONNIOL, Jean-Jacques; VIAL, Michel. Modelos de avaliação: textos fundamentais. Porto Alegre: Artmed, 2001.

DE BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. Dinâmica da pesquisa em ciências: os polos da prática metodológica. Rio de Janeiro: F. Alves, 1977.

DEWEY, John. Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. São Paulo: Editora Nacional, 1971.

HAYDT, Regina Celia Cazaux. Curso de didática geral. São Paulo: Ática, 1997.

INSTITUTO DE AVALIAÇÃO, GESTÃO & EDUCAÇÃO. Descrição da metodologia Prode – Programa de Desenvolvimento de Equipes. Fortaleza: [s. n.], 2009.

KILPATRICK, William Heard. Educação para uma civilização em mudança. Tradução de Noemy Rudolfer. 16. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

KNOWLES, Malcolm S. The modern practice of adult education: from pedagogy to andragogy. Cambridge: Adult Education, 1980.

KNOWLES, Malcolm. S.; HOLTON, Elwood. F.; SWANSON, Richard A. Aprendizagem de resultados: uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

LIMA, M. A. M. Avaliação de programas educacionais em organizações: contrato de avaliação e indicadores de aproveitamento. Fortaleza: UFC, 2005.

LIMA, M. A. M. Autoavaliação e desenvolvimento institucional na educação superior: projeto aplicado em cursos de administração. Fortaleza: UFC, 2008.

MOSCOVICI, Fela. Competência interpessoal no desenvolvimento de gerentes. Revista Administração de Empresas. São Paulo, v. 21, n. 2, p. 17-25, abr./jun. 1981.

MOSCOVICI, Fela. Equipes que dão certo: a multiplicação do talento humano. 3. ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1996.

RICHE, George Ayoub; ALTO, Ricardo Monte. As organizações que aprendem, segundo Peter Senge: “a quinta disciplina”. Cadernos Discentes COPPEAD, Rio de Janeiro, n. 9, p. 36-55, 2001.

ROBBINS, Harvey; FINLEY, Michael. Por que as equipes não funcionam: o que deu certo e como torná-las criativas e eficientes. Tradução de Balzán Tecnologia e Linguística. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

SALOMÃO, M. A. Desenvolvimento de equipes. In: BOOG, Gustavo G. Manual de treinamento e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, 2000. SENAC. Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Disponível em: http://www.senac.br. Acesso em: 7 jan. 2019.

SCHÖN, Donald. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHUTZ, Will. The human element: self-esteem, productivity and the bottom line.[San Francisco: Jossey Bass], 1994. (Jossey Bass Business and Management Series).

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Editora Gente, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Creative Commons

ISSN Impresso 0102549-X

ISSN Eletrônico 2448-1483

 

 Licença Creative Commons

Este conteúdo está licenciado com Creative Commons Atribuição Não Comercial 4.0 Internacional.