Projetos integradores como unidade curricular obrigatória em cursos de educação profissional: a aderência das práticas educativas ao Modelo Pedagógico Senac

Anderson Pena, Daniela Papelbaum

Resumo


O artigo mostra os resultados de pesquisa quantitativa e qualitativa com 2.221 docentes atuantes na implementação do novo Modelo Pedagógico Senac em todo o Brasil. Com média nacional de 8,33 pontos de aderência das práticas pedagógicas Unidades Curriculares Projeto Integrador nos cursos, foi possível concluir que os Projetos Integradores vêm sendo implementados a contento nos Departamentos Regionais. Recomendam-se a expansão de ações de formação continuada e o desenvolvimento de estratégias nacionais que fomentem a inovação pela via dos projetos.


Palavras-chave


Projeto Integrador; Metodologias ativas; Educação profissional

Referências


ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais. São Paulo: Pioneira, 2004.

ANUÁRIO brasileiro de educação básica 2016. São Paulo: Moderna, 2016.

Disponível em

anuario_educacao_2016.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Ed., 1994.

CORDEIRO, E. M.; OLIVEIRA, G. S. As metodologias de ensino predominantes nas salas de aula. Uberaba, 2015. Trabalho apresentado no Congresso Internacional Trabalho Docente e Processos Educativos, 3., 2015, Uberaba. Disponível em . Acesso em: 15 dez. 2017.

KILPATRICK, W. H. Educação para uma civilização em mudança. 5. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1967.

LAROS, J. A.; PUENTE-PALACIOS, K. E. Validação cruzada de uma escala de clima organizacional. Estudos de Psicologia (Natal), Natal, v. 9, n. 1, p. 113-119, abr. 2004.

LIMA, S. M. V. Mudança organizacional: teoria e gestão. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO.

Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: Finep, 2017. Disponível em . Acesso em: 25 dez. 2017.

ROLL-HANSEN, N. Why the distinction between basic (theoretical) and

applied (practical) research is important in the politics of science. London:

CPNSS, 2009. Disponível em:

dced123c24c7bc89b7d0d72bfcf885634a43.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2017.

SENAC. DN. Avaliação da aprendizagem. Rio de Janeiro, 2015a. (Coleção de Documentos Técnicos do Modelo Pedagógico Senac, 5). Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2018.

SENAC. DN. Competência. Rio de Janeiro, 2015b. (Coleção de Documentos Técnicos do Modelo Pedagógico Senac, 2). Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2018.

SENAC. DN. Concepções e princípios. Rio de Janeiro, 2015c. (Coleção de

Documentos Técnicos do Modelo Pedagógico Senac, 1). Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2018.

SENAC. DN. Metodologias ativas da aprendizagem. Rio de Janeiro, 2018.

(Coleção de Documentos Técnicos do Modelo Pedagógico Senac, 7). Disponível em

Metodologias%20Ativas_final.pdf>. Acesso em: 4 jan. 2018.

SENAC. DN. Planejamento docente. Rio de Janeiro, 2015d. (Coleção de

Documentos Técnicos do Modelo Pedagógico Senac, 3). Disponível em:

Planejamento%20Docente.pdf>. Acesso em: 3 out. 2018.

SENAC. DN. Projeto integrador. Rio de Janeiro, 2015e. (Coleção de Documentos Técnicos do Modelo Pedagógico Senac, 4). Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2018.

TUCKMAN, B. Manual de investigação em educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

URBINA, S. Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Creative Commons

ISSN Impresso 0102549-X

ISSN Eletrônico 2448-1483

 

 Licença Creative Commons

Este conteúdo está licenciado com Creative Commons Atribuição Não Comercial 4.0 Internacional.